6 características de pessoas que são plenamente felizes

pessoasfelizes_01

Porque a maioria das pessoas não conseguem ter uma vida plenamente feliz?

A principal razão é porque elas não sabem o que realmente é uma vida feliz. Nós temos uma noção muito vaga do que seja felicidade e plenitude. Confundimos felicidade com ter dinheiro, prazer, ou sucesso… cada uma dessas coisas pode ser um componentes da felicidade, mas não é a felicidade em si mesma.

A ciência, por sua vez, encontrou uma definição geral de felicidade. Por ser um termo muito amplo e que se refere, geralmente, a um sentimento passageiro, a palavra felicidade foi substituida. Eles chamam de “bem-estar” essa sensação de plenitude e realização que algumas pessoas experimentam na vida.

E a psicologia positiva, área de psicologia que se dedica a pesquisar o bem-estar humano, nos ensina que o bem-estar é multidimensional e não se trata apenas do sentimento de felicidade, ou de emoções positivas. Uma boa vida é equilibrada e completa, envolvendo cada um dos diferentes aspectos do ser.

E quais os componentes do bem-estar e de uma vida plena e feliz, afinal?

As 6 características de pessoas felizes

Segundo o modelo de bem-estar psicológico da doutora Carol Ryff, o bem-estar pleno, trata-se do equilíbrio entre seis categorias: auto aceitação, crescimento pessoal, propósito de vida, relações positivas com outros, domínio ambiental e autonomia.

Vejamos detalhes de cada uma:

Estão em constante desenvolvimento

Pessoas felizes têm um sentimento de desenvolvimento contínuo; se veem crescendo e melhorando consistentemente; estão abertos a novas experiências; percebem o seu potencial; veem melhorias em si mesmos e em seu comportamento ao longo do tempo; estão mudando de maneira que reflete um profundo autoconhecimento.

Para desenvolver uma mindset como esta, leia o artigo: Mindset de crescimento: a mentalidade ideal para o sucesso

Têm propósito de vida

Pessoas felizes têm objetivos na vida e um caminho, uma direção; sentem que há significado para suas vidas presentes e passadas; se apegam a crenças que dão propósito a sua vida; e têm objetivos a alcançar.

Aceitam a si mesmas

Pessoas felizes e com alto nível de bem-estar possuem uma atitude positiva em relação a si mesmas; reconhecem e aceitam múltiplos aspectos de si mesmas, incluindo qualidades e defeitos; e sentem-se bem sobre o seu passado.

Constroem relações positivas com os outros

Têm relações calorosas, satisfatórias e confiantes com os outros; se preocupam com o bem-estar dos outros; são capazes de forte empatia, carinho e intimidade; e compreendem o dar e receber natural das relações humanas.

Para desenvolver sua inteligência emocional e ser capaz de construir relações sociais positivas, leia o artigo: Inteligência emocional: o que é e como desenvolvê-la para alcançar uma vida pessoal e profissional de sucesso

Têm o domínio do ambiente em que vivem

Pessoas felizes tem um senso de domínio e competência na gestão do seu ambiente; conseguem controlar conjuntos complexos de atividades como trabalho, estudo, vida espiritual e social; fazem bom uso das oportunidades que surgem; e são capazes de escolher ou criar contextos adequados às suas necessidades e valores pessoais.

São independentes

São autodeterminantes e independentes; são capazes de resistir às pressões sociais para pensar e agir de determinadas formas; regulam seus próprios comportamentos de dentro para fora; e se autoavaliam com base em padrões e valores pessoais.

Perceba que Carol Ryff desenvolve este conceito com base da teoria da virtude de Aristóteles que diz resumidamente que uma vida bem vivida não é aquela onde alguém busca sempre se sentir bem o tempo todo, mas sim viver de forma virtuosa.

Assim este modelo fornece um quadro poderoso para analisar e organizar a vida e gerar ideias sobre como viver melhor.

Segundo essa lista, qual é o seu nível de bem estar? Conseguiu identificar área em que precisa melhorar?

Deixe o seu comentário abaixo!

 

Leia sobre os temas

Aqui estão três livros que eu recomento para você começar a pensar sobre a felicidade de forma diferente:

Felicidade autêntica: Usando a Nova Psicologia Positiva para a realização permanente de Martin E. P. Seligman

O Jeito Harvard de Ser Feliz de Shawn Achor

Amor 2.0 por Barbara Fredrickson

Abraços!

Beatriz Rustiguel

 

Beatriz Rustiguel da Silva

Professora, formada em comunicação social, especialista em Métodos e Técnicas de ensino e autora.

div#stuning-header .dfd-stuning-header-bg-container {background-color: #01b5aa;background-size: cover;background-position: top center;background-attachment: initial;background-repeat: no-repeat;}#stuning-header div.page-title-inner {min-height: 250px;}